Propostas de um futuro bom

Henrique França
@RiqueFranca

Há um novo ano fazendo a curva no horizonte. E o que ele trará de bom é você quem diz. Amanhã será igual a este dia, em dimensões físicas e temporais: terá 24 horas, o sol, a maresia ou o cheiro da floresta ou a poeira secando as narinas, o som das buzinas, além da enxurrada de informações e da falsa necessidade de que precisamos ter tudo, saber de tudo, sermos tudo. Somos seres envelopados em calendários. Faz parte da nossa modernidade e por isso pensamos na renovação quando uma série inédita de dias e meses nos chega com o nascer do sol provavelmente mais contemplado de todos os tempos.

Por isso – tente começar agora -, desacelere. Não pare ou retroceda, apenas diminua a dose de imediatismo. Porque a vida segue sempre em frente, mas é você quem determina qual a velocidade para se trafegar na rodovia do destino. E nessa viagem – de muitos anos ou poucas horas -, siga o seu ritmo. Desconfie dos que apontam para a produtividade acima de tudo. Cultive uma alergia moral diante do termo workaholic – o povo que o criou é um dos mais infelizes, apesar de ricos, do mundo. O mundo não precisa da sua produção mais do que sua atenção, sua alegria, seu bem-estar.

Mude o foco. Invista mais em sorrisos do que em moedas, mais na família, nos amigos do que nos grupos de interesses vazios. Conte mais piadas – mesmo aquelas sem graça -, jogue baralho, pegue jacaré na subida da maré com prancha de isopor, desligue a webcam e olhe nos olhos, tenha vontade de abraçar e realize esse desejo. Compre menos, doe mais. Descubra novos lugares no seu quintal e novos sons na voz de quem você ama. Assista a menos televisão, leia fábulas e biografias que emocionem. Use menos o aparelho celular… vá até lá! Beije pra valer. Desenhe o sol na areia quando estiver chovendo. Estenda a mão e jamais tenha medo de dizer perdão. Acredite: rancor e mágoa são para os fracos.

Se você chama isso de auto-ajuda, desacelere também os julgamentos simplistas e padronizados pela “indústria diferenciada” dos que estão acima do que é comum. Seja comum quando for preciso. Até mesmo um doutor em seu mais alto grau acadêmico precisa saber comunicar-se de forma simples para fazer-se entendido e admirado. Sim, talvez essas sejam propostas de ajuda, mas para uma auto-análise, uma auto-avaliação do que realmente importa. Não tenha medo de libertar uma lágrima pelo que parece pouco aos outros. O tempo é seu, a lágrima é sua, a balança do seu coração é única.

Vá além na simplicidade: decore um poema, a letra daquela canção do filme predileto, cultive uma planta, observe os insetos. Se tiver filhos, reaprenda a ser criança com eles. Se quiser filhos, faça-os com amor e com a intensidade do sacrifício que qualquer coisa preciosa na vida requer. Saiba examinar tudo e reter o que é bom; aprenda a não deixar para amanhã o que pode fazer hoje e lembre sempre que há tempo para tudo debaixo do céu e sobre a terra. Enfim, quando os fogos de artifício iluminarem os céus com suas cores pirotécnicas, faça o seu melhor: pule ondas, cante, chore, ore, agarre ou cale para falar consigo mesmo.

E jamais quaisquer dessas palavras como uma receita pronta. Porque essas são apenas propostas. Propostas de um futuro bom.

[Texto publicado no JornalA União, edição de 31 de dezembro de 2011]

Anúncios

12 responses to this post.

  1. Lindo texto! Arrasou!
    Gostei dele todo, e especialmente de uns trechos.
    Desejo tudo de melhor pra você e sua família!
    Deus abençoe!

    Responder

  2. Posted by Chris on 2 de janeiro de 2012 at 4:11 pm

    Sou supeita para comentar, mas sei que sua fala traz uma imensa verdade. Uma verdade que está guardada, algumas vezes contida, mas que precisa ser dita e vivida. Como é bom podermos ter alguns dias para nos agarrar à contemplação e à reflexão. Fim de ano é assim…representa o fim e o início de algo que é contínuo, mas que tem ar de renovação. Porque somos humanos e, acima de tudo somos amor.
    Amo você.

    Responder

  3. Muito bom Henrique!!! Falou a pura verdade!!! Feliz Ano Novo para vc! Abs

    Responder

  4. Posted by Renata Mendes on 2 de janeiro de 2012 at 9:34 pm

    Muito bom! Feliz 2012!

    Responder

  5. Posted by Metilde Alves on 3 de janeiro de 2012 at 12:00 am

    Emocionante e muito verdadeiro…a vida só vale a pena se pudermos vivê-la com intensidade, simplicidade e muito amor. Todos os dias temos um novo recomeço e uma nova oportunidade de sermos mais verdadeiros, de fazermos o que realmente gostamos e não o que a sociedade nos impõe. Vamos em frente…a Vida é bela!
    Parabéns pelo texto, aliás, seus textos são lindos!
    Seja feliz sempre…

    Responder

  6. Lindas palavras. Parabéns pelo belo texto.

    Grande abraço: Danniel Victor-Fotógrafo
    http://www.dannielvictor.com.br
    http://www.dannielvictor.com.br/blog

    Responder

  7. Posted by Pianista on 3 de janeiro de 2012 at 12:28 pm

    Ai, que texto lindooooooooooo!!!!! FELIZ ANO NOVO, HENRIQUEEEEE!!! \o/

    Responder

  8. Posted by Alexsandra Tavares on 3 de janeiro de 2012 at 12:39 pm

    Parabéns pela sensibilidade Rique França. Mas esta é minha vida agora. Posso dizer que vejo o mundo através dos olhos de uma criança, minha filha, claro. Desacelerei totalmente. Ao romper o ano, estava abraçadinha com ela, apesar de ter dezenas de pessoas ao meu lado não senti falta de mais ninguém. Obvio, meu maridão tb esteve ao nosso lado. Hoje deixo a infatilidade guardada há muito escorrer pela minha alma pq não tem nada mais importante do que o sorriso de Yasmim quando ela estar estressada. Faço palhaçadas, danço com ela, canto, mimo, etc. Não sou a melhor mãe do mundo, mas pretendo dar o melhor de mim, como ser humano falho, para ela. Um feliz 2012 para todos nós. Com certeza ele será maravilhoso…

    Responder

  9. Posted by Gustavo Freire on 4 de janeiro de 2012 at 8:45 pm

    Olá Henrique,

    já sabia o quanto você escreve bem, mas fui surpreendido com esse maravilhoso “manual” que nos ajuda a desenvolver competências para viver melhor.

    Foi um grande presente essa leitura.

    Um feliz 2012 para vcs todos (Chris, irei “anexar” o seu comentário ao texto principal. Muito bom).

    Responder

  10. Posted by erika on 6 de janeiro de 2012 at 6:20 pm

    Goste muito… parabéns

    Responder

  11. Cumprimento o jornalista Henrique França, modesto no falar porém, bem ao estilo de quem é culto, filósofo sensível, objetivo e convincente, um grande talento que com notável domínio na arte de bem escrever “esnoba”, com serena classe, esse tema cujo conteúdo psicológico é de ajuda vital. Que aula! Parabéns Henrique França.

    a) Fernando Valença
    Defensor da Transposição de água do Rio S.Francisco para o semi- árido do NE setentrioaal, em geral e da PERENIZAÇÃO do Rio Paraíba,
    em particular (Projeto São Franciso).

    Responder

  12. Posted by Eliane Viscardi on 12 de janeiro de 2012 at 1:59 pm

    Oi, Henrique
    Você, como sempre, escrevendo bem e bonito!!! Muito bom mesmo!!! Um feliz 2012 pra você, Cris e filhotes!!! Abração

    Responder

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: